22/10/13

REFLETINDO SOBRE O QUE PROMOVE E O QUE DEMITE



 SIMPLES ASSIM:

O Que Demite
O Que Promove
Gostar de Competir
Gostar de Colaborar
Pensar: “Que vença o melhor”
Pensar: “Que vençam todos”
Discutir com pessoas
Discutir ideias
Pensar: “Cadê o culpado”
Concluir: “O que posso aprender com esse erro?”
Focar (unicamente) no seu chefe
Focar no seu cliente
Bajular
Inovar
Falar mal pelas costas
Fazer criticas construtivas
Achar que amizade e trabalho não se misturam
Ter amigos na empresa
Dizer: “Ihh, vai mudar”
Dizer: “Oba, vai mudar!”
Informar somente o que convêm
Informar para o bem da empresa
Dispensar ajuda
Pedir ajuda
Fazer porque o chefe mandou
Fazer porque acredita
Trabalhar porque não tem outra opção
Trabalhar para ter realização


Pense nisso,

Crescer, progredir, vencer.

Ser líder é ser determinado, inteligente. É superar obstáculos, é não misturar pessoal com profissional, é saber ser grande sem esquecer que um dia foi pequeno, lembrar-se por onde começou.


06/08/13

Você ensina o que aprende?


Desenvolvendo conteúdos hoje me peguei pensando se de fato as pessoas ensinam o que aprendem.... E mais se praticamos o que ensinamos!
Há alguns anos tenho a preocupação com a transmissão do conhecimento. Percebo que esta prática deixou de ser exclusiva das escolas e das universidades. Dentro das organizações o conceito tem sido cada vez mais difundido, seja através de programas de capacitação formal, seja através da criação de um clima organizacional que permita um ambiente de constante aprendizado.
Segundo Peter Senge,  "a verdadeira aprendizagem está intimamente relacionada com o que significa ser humano", ou seja, aprender é algo intrínseco à natureza humana. O desafio está em tornar o "ensinar" também um hábito.
Caminhando nessa direção, muitas organizações têm investido na capacitação de multiplicadores, sejam eles colaboradores que atuam exclusivamente com esse papel, o de multiplicador interno, sejam eles colaboradores de diversas áreas que possuem dentre as suas atribuições propagar o conhecimento.
Ambas as situações são desafiadoras.
No caso das pessoas que exercem a função de multiplicador interno e têm como principal responsabilidade treinar outros, os desafios estão relacionados à preparação para capacitar colaboradores de diversos níveis e áreas distintas. O multiplicador precisa possuir uma visão sistêmica do negócio e muita clareza do seu papel, para não entrar em situações delicadas onde a sua falta de experiência no tema coloque em check sua capacidade de treinar outras pessoas. 
Do outro lado, existem os colaboradores cuja parte de sua atribuição está em multiplicar conhecimento. Eles exercem funções diversas como analista de produto, gerente administrativo financeiro, dentre outras e precisam, por vezes, "entrar em sala" para ensinar aquilo ou parte daquilo que fazem ou são especialistas. O desafio aqui está em adequar a linguagem, quase sempre técnica, ao público, conectar a informação ao nível de maturidade da audiência e, muitas vezes, encontrar tempo para cumprir com essa obrigação de forma planejada.
Se por um lado, temos especialistas em educação e treinamento aos quais falta conhecimento técnico de áreas e processos organizacionais, por outro lado temos especialistas no negócio cujo desafio está relacionado ao método de ensino aprendizagem. É preciso treinar treinadores para o exercício pleno dessa atividade que permite o desenvolvimento não só das pessoas, mas da organização.
Reforçar a importância desse papel é crucial para que toda a engrenagem movimente-se. Afinal mais do que ensinar, ajudar a aprender é desenvolver a organização, expandir a capacidade de criar resultados, é estimular padrões de comportamento novos e abrangentes, é dar liberdade à aspiração coletiva e é permitir o exercício do "aprender junto".
O processo de treinar pessoas, QUE É a minha VERDADEIRA PAIXÃO permite o desenvolvimento constante daqueles que multiplicam o conhecimento. O pressuposto para a coerência nesse processo é permitir-se aprender para ensinar e como dizia Cora Coralina:"Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina"

POR ISTO AGRADEÇO a cada cliente da FGY (www.fgy.com.br) que tem acreditado no processo do ensina, ensinar e ensinar...

07/11/12

FGY a todo vapor....



OLHA A FGY AI!

Hoje dia 07 falei sobre como o RH ou a DHO deve fazer para reter e ser atrativa aos profissionais da nova geração....

E amanhã falo sobre O Processo de Single Status Assignment como ferramenta de Retenção desta nova geração.

O evento está ótimo e os palestrantes de primeira: Souza Cruz com suas práticas, Aon com seu diferencial para se manter nas 100 melhores, Cyrela sobre a Academia do saber.... Show!!!!!

29/10/12

Adversidade! Como você lida com elassss?


Certamente você se lembra daquele ditado popular que diz "se a vida te der um limão, faça uma limonada"? É exatamente disso que o quociente de adversidade (QA) trata: a capacidade individual de gerenciar problemas e tirar uma experiência positiva deles.
Segundo estudos, em um dia comum uma pessoa enfrenta no mínimo 23 adversidades, que podem ser o trânsito, a chuva, o esquecimento de algo importante em casa, uma mudança inesperada nos planos ou qualquer outro imprevisto que você tenha. O que determina o seu QA é a maneira como você lida com estas adversidades: você é um pessimista, um campista ou um alpinista?
As pessoas Pessimistas se colocam em situações onde coisas ruins podem acontecer, e eventualmente elas acontecem mesmo. Os Campistas ficam presos em sua zona de conforto, buscando segurança, e acabam perdendo a motivação e o impulso de fazer coisas novas. Já os Alpinistas são aqueles que enxergam as adversidades como pequenos obstáculos que podem ser superados e, melhor, usados em seu benefício para um crescimento pessoal.
Encarar os problemas com a mentalidade do Alpinista, além de deixar sua vida menos estressante, demonstrará que você tem um grande controle emocional e um foco maior em obter resultados positivos, o que pode te trazer inúmeros benefícios tanto em sua vida pessoal quanto na profissional. Quanto maior for o seu QA, maior será a sua consciência de que qualquer situação pode ser superada e, consequentemente, maiores serão suas chances de sucesso.
Coloque esta mentalidade em prática e exercite a sua mente. Quem percebe as frustrações e obstáculos como passageiros tem mais chances de responder positivamente a eles, tornando-se um alpinista pronto para enfrentar qualquer situação! Basta querer!!!!

17/08/12

Ser assertivo é a ATITUDE da onda!


Estamos em plena Era do Conhecimento, da tecnologia e das mudanças rápidas. 

Atualização é a palavra de ordem. Ajustar suas competências intrapessoais, é mais do que nunca necessário! 

Por outro lado, a pressão e a correria do dia-a-dia acabam envolvendo as pessoas de tal forma que a grande maioria fica à beira de um esgotamento. A falta de tempo e a sensação de incapacidade são indícios de que algo precisa ser ajustado. As pessoas que vivem em constante agitação física e mental, freqüentemente, deparam-se com imprevistos, trabalham até mais tarde para cumprir todos os compromissos e, geralmente, terminam o dia tensas e estressadas. Certamente precisam administrar melhor o seu tempo, distribuir a atenção entre os diversos papéis (profissional, familiar, educacional e diversão) e, principalmente, ser assertivas.

Mas, o que é ser assertivo? É nada nada mais, nada menos do que a sua capacidade e sua ATITUDE de negociar seus limites consigo mesmo. É encarar definitivamente o problema da falta de tempo para viver, sorrir para as pessoas queridas, ouvir música, assistir um filme, fazer uma caminhada ou ler um bom livro. 

Observe que a assertividade está intimamente relacionada com a capacidade de administrar bem o tempo. Mais do que regras e princípios, a administração do tempo é uma postura, uma atitude de viver o presente sem perder o senso e a perspectiva do futuro.

Muitas vezes as pessoas gastam seu tempo em atividades pouco produtivas como forma de aliviar tensões e ansiedades decorrentes das pressões do trabalho. A procrastinação é um dos recursos mais comuns. A execução de atividades sem importância também é uma alternativa para fugir de algo mais importante e que causa tensão. A pessoa que adota a assertividade e a administração de tempo como prioridades consegue:

* Ser clara e concisa em suas relações, evidenciando conscientemente o seu posicionamento.
* Dizer sim ou não quando necessário, defendendo seus direitos quando apropriado.
* Expressar seus sentimentos.
* Ajudar a si própria a desenvolver sua autoconfiança, melhorando sua auto-estima.
* Escolher o rumo que deseja dar a uma situação.
* Mudar seu próprio comportamento, quando este for inadequado.
* Pedir aos outros para mudar comportamentos inadequados.
* Assumir a responsabilidade pela própria vida e seus relacionamentos.

Infelizmente, ao tentar fugir das grandes responsabilidades a pessoa provoca a frustração, a tensão e a ansiedade. Entra num círculo vicioso que a afasta dos objetivos principais. É muito importante evitar que a crise tome conta e leve a pessoa a perder o controle de sua própria vida. Os efeitos do estresse constante podem ser desastrosos para a performance tanto pessoal quanto profissional. Somente uma reavaliação consciente dos hábitos e rotinas e a decisão de fazer o que deve ser feito, no momento certo, podem combater os efeitos desastrosos da falta de administração de tempo e da assertividade.

É possível desenvolver a capacidade assertiva. Basta querer! 

E pra fechar ser assertivo é libertador e não é agressivo, como muitos dizem!!!!

Bom final de semana,

Cintia Menegazzo